Judoca Rômulo Crispim é o primeiro brasileiro a subir no pódio da 24ª Deaflympics

Bicampeão nacional na categoria até 66 quilos, aos 20 anos de idade o judoca Rômulo Crispim deu um grande salto em sua carreira ao conquistar a medalha de bronze na 24ª Surdolimpíada, disputada em Caxias do Sul. Natural de Rondônia, o atleta conta sobre como foi sua preparação até chegar nesse momento.


Eu treino junto com os ouvintes. São muito fortes os treinos. Eu vim de Rondônia para o Rio de Janeiro porque eu sabia da Deaflympics em Caxias do Sul. E é um desafio muito grande lutar com atletas de alto nível, e assim eu consegui minha medalha”, conta.

Crispim, aí comenta sobre o que sentiu ao colocar a medalha no peito. "A primeira medalha do Brasil, eu fiquei muito feliz, muito emocionado, eu nunca tive essa experiência. Foi a minha primeira Deaflympics e eu consegui chegar nesse nível de ficar em terceiro lugar. Para mim foi algo muito emocionante”, expressa.


Jovem, o judoca está em sua primeira Surdolimpíada e diz que vai buscar mais medalhas nos próximos anos. "Eu vou me preparar, treinar bastante, continuar treinando para que daqui a quatro anos, em 2025, no Japão, eu consiga um bom resultado”.


Rômulo Crispim é o primeiro brasileiro a subir ao pódio na 24ª Surdolimpíada, que segue até o dia 15 de maio, na cidade de Caxias do Sul, e ainda deixa um recado para as próximas gerações. “Comunidade surda, eu quero dizer para vocês que eu sou uma referência, um modelo, olhem o meu exemplo. Também a gente quer que cresça o número de atletas na Deaflympics lá no Japão”, espera.


Confira na reportagem de Marcos Cardoso:




11 visualizações0 comentário